Contribua com o SOS Ação Mulher e Família na prevenção e no enfrentamento da violência doméstica e intrafamiliar

Banco Santander (033)

Agência 0632 / Conta Corrente 13000863-4

CNPJ 54.153.846/0001-90

domingo, 26 de maio de 2019

Por que jovens estão praticando menos sexo seguro


Camisinhas de várias coresDireito de imagemISTOCK
Image captionO preservativo não teve uma grande mudança de design desde os anos 1950

  • 25 maio 2019
Hayley* havia acabado de terminar um relacionamento quando trombou com um conhecido da época de escola. Ela não tinha visto Aaron* por anos, mas conversaram como se esse tempo nunca tivesse passado. Reencontrar um velho amigo era a distração de que ela precisava e, ao longo da noite, o papo virou um flerte - e eles acabaram indo para casa juntos.

Dicas de um pai neurocientista para lidar com - e ajudar - os adolescentes


Mãe falando com adolescenteDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionComo entender o cérebro adolescente e aproveitar mais a grande potencialidade dessa fase da vida?

  • 25 maio 2019
O avanço da neurociência e da fisiologia (o estudo das funções e processos químicos do corpo humano) não serve apenas para pesquisas científicas, mas também para entendermos comportamentos típicos de etapas-chave da nossa vida - como a adolescência.

Avança projeto para acesso de mulheres trans à Lei Maria da Penha

O texto foi aprovado na CCJ e segue para votação na Câmara dos Deputados


Nesta quarta-feira 22, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou o projeto de lei no qual mulheres transgêneras e transexuais poderão contar com a proteção da Lei Maria da Penha. Se não houver recurso de análise no plenário, a lei segue para votação na Câmara dos Deputados.

Estudo mostra que assistentes de voz feminina reafirmam estereótipos danosos

Relatório da ONU mostra como assistentes como Alexa e Siri acabam sendo prejudiciais para a educação

23.maio.2019

Assistentes de voz são um grande facilitador das nossas vidas no século XXI. Tecnologias como por exemplo a Siri, da Apple, e a Alexa, da Amazon, se tornaram figuras constantes na rotina de vida dos americanos e aos poucos engatinham para se tornar importantes também no resto do mundo.

Documentário 'A Juíza' chega ao Brasil com sessões gratuitas


REDAÇÃO - O ESTADO DE S.PAULO
22/05/2019
O filme conta a história de Ruth Bader Ginsburg, magistrada da Suprema Corte dos Estados Unidos que se tornou ícone da cultura pop aos 86 anos

A história da juíza norte-americana Ruth Bader Ginsburg inspirou filme e documentário.

A história da juíza norte-americana Ruth Bader Ginsburg inspirou filme e documentário. Foto: Magnolia Pictures/CNN Films



A história de vida e da carreira da juíza norte-americana Ruth Bader Ginsburg é retratada no documentário A Juíza, que chega aos cinemas brasileiros nessa quinta-feira, 23. Nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília, haverá sessões gratuitas nos quatro primeiros dias de lançamento (veja locais e horários no fim do texto). O documentário também estará disponível nas plataformas digitais em toda a América Latina: VideoCamp, iTunes e Google.

O STF ENTRE O FEMINICÍDIO E O CIÚME MASCULINO

Em julgamento recente, tribunal recusa argumento da defesa para diminuir pena de marido que atirou contra a mulher

A ministra do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, em 2018 Foto: Jorge William / Agência O Globo
A ministra do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, em 2018 Foto: Jorge William / Agência O Globo

Um marido supostamente traído ouve da mulher um pedido de separação e perde o controle. Com o revólver em punho, alardeia: “se você não me quer mais, ninguém vai ter você também”. Encosta o cano do revólver no queixo da vítima e faz um disparo. O crime aconteceu no fim da tarde de 6 de dezembro de 2002, em uma residência de classe média alta do município de Valinhos, no interior de São Paulo.

Mulheres movimentam e renovam as pistas de skate

Elas se reúnem em coletivos femininos, se divertem andando juntas pela cidade e, de quebra, desafiam os limites do esporte. Conheça as meninas que estão movimentando as pistas do país

CAROL SGANZERLA
20 MAI 2019

Fazia alguns anos que a fotógrafa paulista Luciana Barreto, 21, não subia em um skate e ganhava as ruas. Quando era adolescente, costumava andar com uma amiga em São Caetano do Sul, onde nasceu, mas com o tempo ficou sem companhia e deixou de praticar. Ano passado, com a mudança para São Paulo, no primeiro rolê que deu com as novas amigas, falou: “Como pude parar com o skate? Todas as meninas têm essa mesma sensação quando voltam a andar”, conta ela. Luciana encontrou sua turma quando conheceu as integrantes do Britney’s Crew, coletivo de skate feminino criado há três anos no Rio de Janeiro, mas que reúne mulheres do Brasil inteiro.

Geografias das Crianças, da Juventude e das Famílias têm conferência internacional na Unicamp

Pensar o impacto geracional na experiência do ser humano no espaço foi o mote da Conferência Internacional Geografias  das Crianças,  da Juventude e das Famílias que aconteceu esta semana (22 a 24), no Centro de Convenções da Unicamp. Em sua sexta edição, o congresso, que teve sua origem na Real Sociedade de Geografia e no Instituto Britânico de Geógrafos, foi sediado pela primeira vez no Hemisfério Sul. A responsável pela organização foi Gabriela Tebete, da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp.
“Quando falamos de geografia das crianças, da juventude e das famílias, estamos pensando em uma forma de olhar as crianças, os jovens e as famílias no espaço da cidade, na relação com a cultura, na relação com a com acesso e a distribuição econômica, em fim todas as discussões que se faz no campo da geografia”, explicou Tebete.
Gabriela Tebete, da Faculdade de Educação, foi a responsável pelo evento.
Gabriela Tebete, da Faculdade de Educação, foi a responsável pelo evento.

Bruxas paulistas: pesquisa resgata história de mulheres acusadas de feitiçaria

Documentos encontrados na Cúria Metropolitana revelam como agia o Santo Ofício no Brasil colonial no século 18

16/05/2019
Texto: Ivanir Ferreira

O ano era 1754 e o local, a Justiça Eclesiástica, na cidade de Jundiaí, interior de São Paulo. As rés, Thereza Leyte e Escholástica Pinta da Silva, mãe e filha, estão no tribunal do Santo Ofício acusadas de terem feito um pacto com o demônio e matar o primeiro marido de Escholástica, Manoel Garcia, utilizando feitiçarias. A Inquisição no Brasil – movimento da igreja católica criado para combater heresias e ameaças à doutrina cristã – teve início no período colonial, mas já vinha ocorrendo em países da Europa como França, Itália e Portugal desde o século 12. No Brasil, o movimento se consolidou por meio do Tribunal do Santo Ofício, que recebia visitas de inquisidores vindos de Portugal para investigar comportamentos e práticas diferentes dos estabelecidos pela igreja católica.

Veja os projetos de lei que abordam a violência contra a mulher

Os últimos dias foram palco de calorosos debates devido às novas leis incorporadas ao nosso ordenamento, dividindo a opinião da sociedade em geral. Uma dessas leis é a 13.827, que passou a viger no dia 14.
A lei surgiu para permitir que, além do juiz, o delegado de polícia e o policial, em casos específicos, apliquem medida de afastamento do lar nos casos de violência doméstica contra a mulher ou seus dependentes. Contra ela, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) ingressou com a ADI 6.138 perante o Supremo Tribunal Federal, distribuída ao ministro relator Alexandre de Moraes, sustentando a tese de violação ao princípio da reserva de jurisdição.

Leia o voto do ministro Celso de Mello no julgamento da criminalização da homofobia

A mera existência de proposições legislativas em tramitação no Congresso Nacional não tem o condão de afastar, por si só, a configuração de inércia por parte do Poder Legislativo. O entendimento é do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. Após o voto do decano, a corte formou maioria para reconhecer a omissão do Congresso em legislar sobre a criminalização da homofobia e transfobia e determinar o enquadramento das práticas ao crime de racismo.

Constitucionalidade do divórcio impositivo é questionável

Desde a Emenda Constitucional 66/2010, a decretação do divórcio foi simplificada, eis que não foram mais exigidos prazos para tanto. A mesma norma trouxe, ainda que sob divergência doutrinária, o fim da discussão de culpa pelo término do casamento. Desta forma, o instituto passou a ser um direito potestativo (que não admite contestações) de cada um dos cônjuges, pelo que, para a sua decretação, basta apenas a vontade de um deles.

sábado, 25 de maio de 2019

CNJ investiga desfile apoiado pela OAB que expôs crianças para adoção em shopping

Sexta-feira, 24 de maio de 2019

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, solicitou que a Corregedoria Geral de Justiça do estado de Mato Grosso preste informações a respeito do desfile de crianças de quatro a 17 para adoção, realizado no Pantanal Shopping, de Cuiabá, na última terça-feira (21). O órgão tem um prazo de 15 dias para prestar informações.

Judiciário no Brasil conhece realidade australiana em defesa da mulher

Ministro Dias Toffoli abriu o diálogo entre Brasil e Austrália sobre violência doméstica. FOTO: Gláucio Dettmar/Agência CNJ
Especialistas brasileiros e a comissária para Discriminação Sexual da Comissão de Direitos Humanos da Austrália Kate Jenkins debateram ações e projetos institucionais que podem ser utilizados no enfrentamento à violência doméstica. O encontro foi promovido na quarta-feira (22/5) pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e reuniu membros do Sistema de Justiça do Brasil e representantes da Embaixada da Austrália na sede do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília.

“Mulheres, raça e classe”: o que Angela Davis nos tem a dizer sobre Direito

Maciana de Freitas e Souza e Tamara de Freitas Ferreira
Quinta-feira, 23 de maio de 2019

O livro “Mulheres, raça e classe”, de Angela Davis[1], apresenta uma análise histórica do feminismo negro norte-americano e das movimentações políticas que aconteciam durante as décadas de 1960 e 1970 pela luta abolicionista nos Estados Unidos. Angela Davis, é professora universitária e filósofa marxista norte americana, foi integrante do Partido Panteras Negras, e, desde a juventude, exerce sua militância pelos direitos políticos e civis. O livro relata o nascimento do movimento abolicionista, o surgimento do sufrágio e a luta pelos direitos femininos, tudo sob a lente da questão racial.

Game of Thrones e o direito de família

Paula Dias Cruz
A admirada série chega ao seu fim trazendo consigo uma oportunidade de discussão sobre as questões de fato que a envolvem. Quem aplica o direito não consegue ficar alheio às situações problemáticas trazidas na trama, pois tais fatos podem ser alvo de decorrências jurídicas.
sexta-feira, 24 de maio de 2019
A ficção imita a vida tanto quanto a vida imita a ficção. Por isso, é muito fácil encontrarmos - nos filmes, séries, novelas e demais reproduções artísticas - cenas parecidas com as que nos deparamos na vida real. Nessa mesma linha de raciocínio, também é natural verificarmos uma reprodução dos comportamentos transmitidos na “telinha” pelas famílias brasileiras, que, em sua maioria, seguem modas e modos dos personagens mais impactantes ou populares das tramas.

Do divórcio impositivo

Ana Vasconcelos Negrelli
Chegou-se tardiamente ao consenso de que casamento, como o amor, não é uma questão de “obrigações”. Ninguém tem “obrigação” de permanecer casado. Ninguém deve esperar muito tempo para formalizar o fim daquilo que há muito já acabou. O tempo é escasso.
sexta-feira, 24 de maio de 2019
Resultado de imagem para divórcio impositivoAlvíssaras! Um sopro de sensatez na burocracia nossa de cada dia: divorciar-se em cartório está muitíssimo mais fácil, rápido e objetivo. A partir de agora, num sopro de racionalidade no nosso horizonte de tutelas, papéis e requerimentos, uma pessoa para se divorciar, sem o consenso do outro cônjuge, não precisará mais de uma longa, cara e morosa ação judicial -, basta a vontade e uma ida ao Cartório acompanhada de um advogado ou um defensor público.

Brasileiro apontado pelo FBI como um dos maiores distribuidores de pornografia infantil na internet é condenado

Decisão é da JF do Rio.
sexta-feira, 24 de maio de 2019
O juiz Federal Artur Emílio de Carvalho Pinto, da 1ª vara Federal de Nova Friburgo/RJ, condenou o analista de sistema Jorge Antônio Batalino Riguette, apontado pelo FBI como um dos cem maiores distribuidores de pornografia infantil na internet, a 12 anos e 11 meses de reclusão, em regime fechado.
O condenado, após cumprimento de mandado de busca e apreensão em sua residência no dia 10 de outubro de 2018, foi preso em flagrante em razão da prática dos delitos previstos nos artigos 241-A e 241-B da lei 8.069/90.
t

No Congresso, representantes de movimentos LGBT+ e parlamentares dialogam em semana de combate à homofobia

Câmara e Senado receberam representantes de movimentos sociais para discutir demandas de gays, bissexuais, lésbicas e pessoas trans
Por Lola Ferreira*
16 DE MAIO DE 2019
Em 2019, a semana em que o presidente Jair Bolsonaro retirou o incentivo ao turismo LGBT+ no Brasil do Plano Nacional de Turismo e em que viralizou uma fala da ministra Damares Alves chamando princesas da ficção de lésbicas em tom pejorativo foi a mesma em que se celebra o Dia Nacional de Combate à Homofobia, em 17 de maio. Membros do movimento LGBT+ aproveitaram a ocasião para se reunir com parlamentares em Brasília para articular políticas que garantam os direitos dessa população e que contribuam no combate à LGBTfobia.

A punição pelo desejo: registros de crimes relacionados a apps de relacionamento aumentaram mais de 250% em cinco anos

De acordo com base inédita à qual a Gênero e Número teve acesso junto à agência de dados independente Fiquem Sabendo, via Lei de Acesso à Informação, no estado de São Paulo mulheres são maior parte das vítimas de ocorrências, que vão de ameaça a estupro, e acontecem principalmente dentro de casa
Por Lola Ferreira*
23 DE MAIO DE 2019

Juliana** estava recém-separada quando decidiu criar uma conta no Tinder. Após alguns meses navegando pelo aplicativo, encontrou um homem que julgou ser interessante e, passados alguns dias de conversa, decidiu chamá-lo para sua casa. Àquela altura, ele já havia lhe falado seu nome completo e até números de documentos, então não haveria motivos para Juliana se preocupar — até o meio da noite. Na madrugada, após jantarem e transarem consensualmente, o encontro se transformou em agressão: Juliana foi obrigada pelo homem a fazer uma prática sexual de que não gosta, enquanto ele ignorava as dezenas de vezes em que ela pedia para parar. Quando se deu conta de que estava sendo vítima de um estupro, ela só esperou a agressão acabar, sentindo-se impotente.

PROJETOS DE LEI BUSCAM CRIMINALIZAR O ‘STALKING’ NO BRASIL

Ao menos sete textos foram apresentados na Câmara; EUA e países europeus já tipificaram conduta
24/05/2019
A criminalização da perseguição obsessiva, mais conhecida como “stalking”, é tema de ao menos sete projetos de lei apresentados na Câmara dos Deputados desde 2009. Para especialistas, a tipificação preenche uma lacuna e segue tendência mundial, mas os limites devem ser bem traçados.

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Mulheres virtuosas


Obediência e submissão é o que se espera das mulheres evangélicas, que têm na ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos sua maior propagandista

Por Andrea DiP, Julia Dolce, Alice Maciel

Julia Dolce/Agência Pública
Marcas de vestido patrocinaram o desfile de noivas da Lagoinha, precedido por uma pregação sobre o papel da mulher

Após longa espera em uma das muitas filas compostas exclusivamente por mulheres, abro minha bolsa para que a moça com um sorriso no rosto e uma lanterninha na mão a vasculhe cuidadosamente. “Ah, amada, celular aqui não entra, você pode descer para guardar no nosso guarda-volumes”, diz, apontando para uma escada com a lanterna. Uma hora e duas filas depois – tivemos também que passar no detector de metais – adentro o gigantesco Templo de Salomão, sede mundial da Igreja Universal do Reino de Deus, para o que seria a “Reunião Autoajuda”, um encontro trimestral que traz orientações exclusivas para as mulheres.

ENTREVISTA Mary Karr: “Enquanto você é amável, os homens te protegem. O minuto em que deixa de ser, começa a batalha”

Desde que publicou em 1995 The Liars' Club (O Clube dos Mentirosos), o primeiro de seus três romances memorialistas, Mary Karr é conhecida em todo o mundo. Agora o terceiro livro da série, Lit, é traduzido ao espanhol. Todos eles são de uma crueza surpreendente. A vida dessa mulher foi terrível: seus pais eram bêbados, foi estuprada duas vezes e foi viciada em cocaína e álcool. Além de romancista e poeta, Karr é há 30 anos professora na Universidade de Syracuse (Nova York).
El País
21 MAI 2019



Mary Karr
Mary Karr. 

Uma polêmica constrangedora para a Nike

Estrelas do esporte feminino nos EUA, como Allyson Felix, denunciam a redução nos contratos com a marca depois de se tornarem mães

Washington 

El País


Allyson Felix, em 2017, em Birmingham
Allyson Felix, em 2017, em Birmingham CORDON PRESS


Poderoso, emotivo, inspirador. “Just do it.” Mas a glória pode ser efêmera quando a mensagem não é real e só busca aproveitar a crista da onda de um movimento imparável para vender algo tão simples – mas lucrativo – como calçados esportivos. O anúncio feminista da Nike foi definido como uma carta de amor visual a todas as mulheres que se atrevem a romper barreiras. É narrado por Serena Williams, e o fio condutor é um conceito em suas diversas acepções: “Louco, loucura”; “Sonhe o impossível”. “Se demonstramos emoção, nos chamam de dramáticas”, diz Williams. “Se queremos competir contra os homens, loucas. Se pretendermos igualdade de oportunidades, é que deliramos. Se brigarmos pelo que é justo, somos desequilibradas. Se nos irritamos, somos umas histéricas ou estamos malucas.”