Contribua com o SOS Ação Mulher e Família na prevenção e no enfrentamento da violência doméstica e intrafamiliar

Banco Santander (033)

Agência 0632 / Conta Corrente 13000863-4

CNPJ 54.153.846/0001-90

terça-feira, 15 de outubro de 2019

“A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

REVISTA IHU

14 Outubro 2019


    A pesquisadora alemã Helen Kohlen (Mönchengladbach, 1963) é uma referência em bioética ética do cuidado em ambientes hospitalares. Ela é professora na Philosophical and Theological University of Vallendar (Koblenz), na Alemanha, onde também é responsável pela cátedra Política de cuidados e ética. Atualmente, dirige o projeto de pesquisa Diversidade cultural e conflitos na assistência à saúde. Desde 2010, está à frente de outro sobre ética clínica. Recentemente, foi convidada pelo Collegi Oficial d’Infermeres i Infermers de Barcelona (COIB) e pela Fundação Víctor Grifols i Lucas para falar em um seminário sobre sua especialidade.

    Bem Estar #7: Cesarianas e saúde da mulher

    O Brasil é um dos países campeões de cesarianas, com 55% dos partos ocorrendo dessa forma. Participam do podcast do Bem Estar a ginecologista e obstetra Juliana Giordano, doutora pela Unicamp em assistência humanizada ao parto e representante da Rede Feminista de Ginecologistas Obstetras, e o doutor César Fernandes, presidente da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).

    Por G1 — São Paulo
    09/10/2019

    'Tinha que ser menina': De assédio a bullying, o que as mulheres ainda enfrentam em jogos online

    Durante BGS 2019, G1 conversou com jogadora. Quase dois anos após campanha de ONG pelo respeito às mulheres, elas dizem que xingamentos diminuíram.

    Por Thaís Matos, G1
    15/10/2019
    Atualmente, o mercado de games hoje tem mais de 60 milhões de jogadores — Foto: BGS/Divulgação
    Atualmente, o mercado de games hoje tem mais de 60 milhões de jogadores — Foto: BGS/Divulgação
    Em janeiro de 2018, uma ONG popularizou nas redes sociais uma campanha para que as mulheres pudessem escolher o nickname que quisessem em jogos online - e não precisassem esconder sua identidade.

    Masculinidade e o papel do homem são repensados


    Ciclo logística também é coisa de mulher

    #Envolverde
     

    Por Rogerio Viduedo
    Pesquisa realizada com ciclistas entregadores em maio e junho deste ano e publicada em agosto pela Aliança Bike mostra que é rara a presença de mulheres que trabalham no ramo de entregas geradas por aplicativos de celular. De 257 pessoas entrevistadas, apenas 3 eram mulheres ou 1% da amostra.

    segunda-feira, 14 de outubro de 2019

    O que conta o livro infantil censurado na Turquia por ser considerado 'obsceno'

    'Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes' narra trajetória de 200 mulheres, incluindo as brasileiras Cora Coralina, Marta e Anita Garibaldi.

    Equipe HuffPost

    06/10/2019


    MONTAGEM/DIVULGAÇÃO


    'Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes' narra trajetória de 200 mulheres, incluindo as brasileiras Cora Coralina, Marta e Anita Garibaldi.

    Cleópatra, Malala Yusufzai, Coco Chanel, Frida Kahlo, Rosa Parks, Nina Simone, Cora Coralina, Marta, Simone Biles, Beyoncé, Anita Garibaldi,  Chimamanda Ngozi Adichie, JK Rowling, Margaret Thatcher, Evita Peron, Hillary Clinton e Michelle Obama. São as histórias dessas e de outras dezenas de mulheres que são contadas no livro “Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes”. A publicação foi censurada pelo governo turco  por considerá-lo “obsceno” para crianças.

    Por que o veto de Bolsonaro ao aviso obrigatório de violência doméstica é considerado positivo

    Nesta semana, Bolsonaro vetou projeto de lei que tornava obrigatório que hospitais denunciassem indícios de violência doméstica à polícia.

    AMANDA PEROBELLI / REUTERS

    Em sua justificativa ao veto à proposta, o governo alegou que a decisão foi tomada “por contrariedade ao interesse público”.

    Foi acertada a decisão do presidente Jair Bolsonaro de vetar de forma integral o projeto de lei que obrigava profissionais rede pública e privada de saúde a notificar indícios e casos explícitos de violência contra a mulher à polícia em, no máximo, 24 horas.

    Vire a Chave #6 - Violência contra mulheres e violência de gênero


    Neste episódio, o 'Vire a Chave' discute violência contra mulher e violência de gênero. No Brasil, as ocorrências de feminicídio aumentaram 12% de 2017 para 2018, segundo o Atlas da Violência. No ano de 2018, foram registrados 1.173 casos, 76% deles cometidos pelo parceiro ou ex-companheiro da vítima. Além de um balanço sobre a Lei Maria da Penha, o podcast também discute outras formas de violência cometidas contra mulheres e convida as debatedoras para analisarem o papel da mídia na representação de mulheres e na cobertura de casos sobre violência doméstica.

    Alterações da Lei Maria da Penha têm aspectos ambíguos, dizem especialistas

    Na última segunda-feira (7/10), o presidente Jair Bolsonaro sancionou dois projetos de lei que alteram a Lei Maria da Penha. A primeira mudança prevê a apreensão de arma de fogo sob posse de agressor. Já a segunda medida dá prioridade à matrícula de dependentes de mulheres vítimas de violência doméstica em instituições de ensino mais próximas de seu domicílio.
    Advogados aprovam alterações na Lei Maria da Penha, mas enxergam algumas ambiguidades no texto aprovado
    Reprodução
    Especialistas apontam aspectos positivos nas duas medidas, mas também perceberam algumas falhas. O criminalista João Paulo Martinelli explica que o projeto determina que caberá à autoridade policial notificar o órgão responsável pela concessão. “Sendo o possuidor da arma agressor, a autorização para a posse será revista pela autoridade competente e, provavelmente, revogada”, diz.
    Para a coordenadora da pós-graduação em Direito Administrativo da Escola de Direito do Brasil (EDB), Mônica Sapucaia Machado, a lei poderia ser mais célere. “Por que a autoridade policial não poderia recolher a arma de fogo registrada em caso de agressão ao invés de esperar por decisão judicial?”, pergunta.

    POLARIZAÇÃO POLÍTICA ALCANÇA A DEFESA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS

    Disputa ideológica entre conservadores e progressistas chegou aos Conselhos Tutelares
    ALINE RIBEIRO
    08/10/2019
    Época
    Eleições do Conselho Tutelar na cidade do Rio de Janeiro Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo
    Eleições do Conselho Tutelar na cidade do Rio de Janeiro Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

    O Fla-Flu político chegou aos Conselhos Tutelares. Na votação de domingo para a escolha dos novos guardiães dos direitos das crianças e adolescentes brasileiros, deu o tom a mesma disputa ideológica que povoou as eleições gerais do ano passado. Nas redes sociais, a população se mobilizou como se torcesse por um time de futebol. De um lado, apoiadores de candidatos ligados às igrejas evangélicas e católicas, que marcaram forte presença na disputa deste ano. Do outro, simpatizantes de postulantes dito progressistas.

    Por que a forma como falamos com as crianças pode afetá-las na vida adulta

    14/10/2019

    Mãe lendo livro com garoto no coloDireito de imagemGETTY IMAGES
    Image captionPara ler, aprender números e até articular suas memórias, você precisa da linguagem

    A conversa termina rápido quando se fala com um recém-nascido. Eles não respondem nada. Não gemem quando você diz que vai chover e tampouco dão risada quando você conta uma piada.

    domingo, 13 de outubro de 2019

    Disney vai utilizar inteligência artificial para mapear diversidade de gênero em suas produções


    Empresa fechou acordo para utilizar software do Instituto Geena Davis de Gênero na Mídia


    9.out.2019
    Disney fechou contrato com o Instituto Geena Davis de Gênero na Mídia para utilizar, de agora em diante, um software que analisa os roteiros das futuras produções do estúdio. O objetivo é mapear como os gêneros são abordados nas obras e buscar uma participação igual para todos os gêneros.

    Com Marco Nanini, filme ‘Greta’ dá voz aos desejos e sexualidade dos excluídos

    Hypeness
    por: Brunella Nunes
    “Eu quero ficar só”, demandou Greta Garbo certa vez. Essa é a frase de conexão entre a icônica atriz americana e o grande ator brasileiro Marco Nanini, protagonista do filme “Greta“. Com estreia marcada para o dia 10 de outubro, aborda assuntos como os desejos e a sexualidade de um setentão homossexual, sedento por amor, mas disfarçado de anseio por solidão.

    A arte imitando a vida: por que o filme Joker desconcertou o público?


    O roteiro de Todd Phillips e Scott Silver transcorre no alvorecer da década de 80. Bruce Wayne é um garoto, filho do bilionário candidato a prefeito Thomas Wayne, e Arthur Fleck, interpretado por Joaquim Phoenix, é um palhaço que divide sua rotina entre cuidar da mãe debilitada e a profissão de comediante.
    Portador de distúrbios mentais – expressos na forma de uma risada desvairada –, que se agravam conforme sua carreira naufraga, sua mãe adoece, sua vizinha se apieda e um apresentador de TV faz chacota de sua imagem, Fleck contabiliza desamor, episódios traumáticos e a absoluta ausência de compaixão no mundo.

    Projetos de lei sancionados por Bolsonaro alteram a Lei Maria da Penha

    9 de outubro de 2019
    O presidente Jair Bolsonaro sancionou dois projetos de lei que alteraram a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) nesta segunda-feira (7/10).

    Estereótipos bloqueiam acesso das mulheres à ciência

    Em audiência pública na Câmara, cientistas discutem como elevar a presença do sexo feminino nas pesquisas e na tecnologia

    Janes Rocha – Jornal da Ciência
    10 de outubro de 2019
    A caminho da segunda década do Século XXI e com todos os avanços sociais de gênero, as mulheres ainda são apenas 28% dos pesquisadores em todo mundo e apenas 3% dos Prêmios Nobel nas áreas científicas (Medicina, Física, Química). O que se pode fazer para melhorar esse quadro?

    “O problema da violência sexual é político, não moral”. Entrevista com Rita Segato

    REVISTA IHU

    18 Dezembro 2018
    “A notícia de uma agressão sexual se instala como um espetáculo nos meios de comunicação e isso tem que mudar”, disse a antropóloga Rita Segato, uma das grandes intelectuais latino-americanas, ao analisar o tratamento dado, na televisão, à denúncia de estupro de Thelma Fardin contra Juan Darthés. Também chamou a atenção sobre o risco de que se produza um efeito imitação como ocorre com as notícias de suicídios, e sobre a necessidade de superar o lugar de vítima da atriz. “Não quero somente consolar uma vítima que chora. O ponto é como educamos a sociedade para entender o problema da violência sexual como um problema político e não moral”, destacou Segato.

    sábado, 12 de outubro de 2019

    Vertigens - por Lucélia Braghini, psicodramatista do SOS Ação Mulher e Família, para Wall Street International

    Manter-se sereno na tormenta: a lição a ser aprendida

    12 OUTUBRO 2019, 
    Wall Street International
    Vertigens
    Vertigens
    O pássaro ao voar precisa se desgarrar do chão...
    Não existe voo sem que você se afaste do chão.

    “Estando lá em cima, vou me apoiar em quê?
    Quais serão meus pontos de apoio?”

    Não há nada sólido lá em cima...
    Lugares altos causam vertigens...

    As vidas de Elza

    09.10.2019
    As vidas de Elza
    •  As vidas de Elza

    • Elza Soares estreou em disco há 60 anos com um balanço radical e uma voz lá em cima, no mesmo ano de 1959 em que João Gilberto fazia a sua estreia em movimento contrário, cantando suave e de balanço contido. A carreira dessa grande cantora, como ela se insere na história da música brasileira e a impressionante trajetória de dramas em sua vida pessoal são os assuntos deste programa. Joaquim Ferreira dos Santos, da Rádio Batuta, conversa com Zeca Camargo, que está lançando uma biografia de Elza.

    Fora do Jogo


    Um grupo de mulheres desafia a lei no Irã ao tentar assistir a uma partida de futebol. As fãs querem ver o jogo decisivo para a classificação da seleção para a Copa do Mundo e se disfarçam de homem, tentando burlar a segurança.

    Mulheres iranianas conquistam direito de ir ao estádio, mas separadas dos homens

    As autoridades cedem diante da comoção social causada pela morte de uma garota que se suicidou ao ouvir que seria condenada à prisão por ter entrado escondida em um estádio

    ALI FALAHI
    Teerã - 11 OCT 2019
    Torcedoras iranianas na grade do estádio Azadi, vigiadas por policiais.
    Torcedoras iranianas na grade do estádio Azadi, vigiadas por policiais.VAHID SALEMI (AP)
    A presença das mulheres no jogo de futebol disputado quinta-feira entre as seleções do Irã e Camboja, na fase classificatória para o Mundial do Catar em 2022, marca um ponto de inflexão não apenas na história do esporte da República Islâmica, mas principalmente na luta das iranianas por seus direitos. Esse encontro no estádio Azadi de Teerã (cujo resultado foi de 14 a 0 para a equipe local) é o primeiro em quatro décadas ao qual as torcedoras puderam ir sem ser escolhidas previamente, e derruba, embora de forma temporária, uma barreira no último país que não permitia a livre entrada das mulheres nos estádios. No entanto, algumas ativistas criticaram o pequeno número de ingressos que foram reservados para elas, desconfiando que tudo não passou de uma concessão limitada diante das pressões da FIFA.

    No Dia Mundial da Saúde Mental, HBO convoca psicólogo para analisar personagens de suas séries

    Primeiro episódio de "HBO Doctor Commentaries" já está no ar e trata do transtorno obsessivo-compulsivo da protagonista de "Girls"

    10.out.2019

    Aproveitando que hoje, 10 de outubro, é o Dia Mundial da Saúde Mental, a HBO decidiu lançar uma nova campanha que busca conscientizar o público de que sim, a mente também pode ser vítima de doenças e que está tudo bem em tê-las e tratá-las. Como espalhar a palavra? Fácil, convocando um psicólogo para analisar os personagens das mais variadas séries produzidas pelo canal.

    XI FONAVID DEBATERÁ EDUCAÇÃO PARA EQUIDADE DE GÊNERO – SÃO PAULO/SP, 5 A 8/11/2019

    10/10/2019
    Educação para equidade de gênero: um caminho para o fim da violência doméstica contra a mulher. Este será o tema da décima primeira edição do Fórum de Juízas e Juízes de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher (Fonavid), que será realizado em São Paulo (SP) entre os dias 5 e 8 de novembro.
    Participe do mais importante fórum de discussão do Poder Judiciário nacional sobre combate à violência doméstica contra a mulher, que reúne, anualmente, juízas, juízes e equipes técnicas da Justiça Estadual brasileira, com objetivo de compartilhar experiências e uniformizar procedimentos.

    Mulheres em cargos de liderança precisam se masculinizar?


    Luiza Sahd
    Colaboração para Universa
    07/10/2019
    Mulheres em posição de liderança frequentemente são comparadas a homens — e muitas das qualidades que as levam a esses cargos podem ser consideradas atributos masculinos. No imaginário coletivo, líderes são normalmente sujeitos arrojados, seguros de si, sóbrios, precavidos e extremamente racionais. Não sei se você também teve a sensação de que acabei de descrever... um cara.

    Plataforma auxilia empresas a promover igualdade de gênero


    Publicado em 11/10/2019
    Por Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil

    Esta semana, quando é celebrado o Dia Nacional de Luta contra a Violência à Mulher, a ONU Mulheres destaca plataforma disponibilizada para empresas que desejem mensurar a igualdade de gênero em seus respectivos ambientes de trabalho. Utilizada por mais 1.835 companhias em todo o mundo, a Ferramenta de Análise de Lacunas dos Princípios de Empoderamento das Mulheres (WEPs) é online e gratuita.

    1º ENCONTRO DA REDE ESTADUAL DE MULHERES NA POLÍTICA – SÃO PAULO/SP, 26/10/2019

    11/10/2019
    Você sabia que em 2016, apenas no Estado de São Paulo, foram 27.732 candidatas, entre vereadoras, prefeitas e vice-prefeitas?

    E que em 2018 foram 1.256 candidaturas femininas em todo o Estado?


    É por isso que a Brasilianas está organizando uma Rede Estadual de Mulheres na Política, e o primeiro encontro será dia 26/10, em São Paulo, SP.

    Governo lança programa Salve Uma Mulher

    Na primeira etapa do projeto, 476 mil pessoas receberão treinamento

    Publicado em 03/10/2019
    Por Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil  Brasília

    O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) lançou hoje (3) o projeto Salve Uma Mulher, que consistirá em treinar servidores e empregados públicos para dar suporte a mulheres vítimas de violência. Na primeira etapa do projeto, 476 mil pessoas receberão treinamento.

    SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 2020 – FLORIANÓPOLIS/SC, 26 A 31/06/2020

    11/10/2019
    Mariana Valente, Natália Neris (InternetLab) e Larissa Santiago (Blogueiras Negras) convidam todas/os/es a enviar trabalhos para comunicação oral ou pôster e participar do Simpósio Temário do Fazendo Gênero 12, que acontecerá em Florianópolis, de 26 a 31 de junho de 2020.

    HOSPITAL DEVE SER OBRIGADO A NOTIFICAR SUSPEITA DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER?

    Pelo projeto de lei, unidades de saúde eram obrigadas a informar à polícia casos suspeitos em até 24 horas; especialistas divergem – leia os dois posicionamentos e participe da enquete
    11/10/2019
    SÃO PAULO – O presidente Jair Bolsonaro comunicou ao Senado Federal que decidiu vetar, integralmente, o projeto de lei que obrigava os hospitais das redes de saúde pública e privada a notificar casos suspeitos de violência contra a mulher à polícia em até 24 horas.